Bolsonaro minimiza debandada na Economia e fala em mercado ‘nervosinho’ com gastos

Postado em 22 de outubro de 2021

O ministro da Economia, Paulo Guedes, perdeu na última quinta-feira, 21, mais quatro importantes auxiliares: o secretário especial do Tesouro, Bruno Funchal, do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, o adjuntos do Tesouro Nacional, Rafael Araujo, e a secretária adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas. Oficialmente, todos alegaram motivos pessoais para deixar os cargos, mas eles continuam trabalhando até o que o ministro indique os substitutos. Dentro da área econômica, o clima foi de apreensão durante todo o dia. Guedes tem reafirmado com certa frequência que a área técnica precisa sempre trabalhar levando em consideração as determinações da área política, que é quem tem voto. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) minimizou as críticas e comemorou a aprovação do texto base da PEC dos precatórios, mas admitiu que nós ainda vamos ter muitos problemas pela frente. “Estou buscando solução. O auxílio de R$ 400 para caminhoneiros, que vai estar abaixo de R$ 4 bilhões por ano, dentro do orçamento. Aí fica o mercado nervosinho. Se vocês explodirem a economia do Brasil, o pessoal do mercado, vocês vão ser prejudicados também”, afirmou o presidente.

Bolsonaro falou ainda que existe uma resistência grande dentro da própria equipe econômica. “Tem secretário que quer fazer valer a sua vontade. Então, o ministro deu uma decisão, vamos gastar dentro do teto, então as reformas continuam, a gente espera que a reforma administrativa continue, a tributária continue, como foi feita com a da previdência no passado”, comentou. O Ministério de Minas e Energia também teve uma baixa, o secretário de Petróleo, José Mauro Ferreira Coelho, que, depois de 14 anos no serviço público, também anunciou que deixa o governo.

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-RJ), afirmou pelas redes sociais que a equipe econômica que vem conduzindo a crise provocada pela pandemia da Covid-19 terá substituições por técnicos igualmente qualificados, que continuarão prestando bons serviços. E foi além: garantiu que Guedes está firme e forte, como sempre, na condução da economia. Para a oposição no Congresso Nacional, a notícia repercutiu mal. Segundo o PSDB, no entanto, não existe justiça social sem responsabilidade fiscal e a debandada de auxiliares de Guedes coroa a condução da economia. O partido afirma que o governo Bolsonaro cada vez mais se parece com a administração da ex-presidente Dilma Rousseff e ainda disse que o resultado da irresponsabilidade fiscal vai pesar mais no bolso dos mais pobres, na forma de mais inflação, mais desemprego e menos investimentos.

Equipe econômica que vem bem conduzindo esta crise provocada pela pandemia terá substituições por técnicos igualmente qualificados que continuarão prestando bons serviços. Guedes firme e forte como sempre na condição da economia. pic.twitter.com/5vWtKFc4cm

— Ricardo Barros (@RicardoBarrosPP) October 21, 2021

 

O senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PA) afirmou que o Brasil, na verdade, está desabando porque o presidente da República, Jair Bolsonaro, mesmo dizendo que não entende de economia, determinou que as coisas sejam feitas e que Paulo Guedes acabou procurando um jeito de obedecer. “Esses profissionais de altíssimo nível estão abandonando o barco por uma simples e boa razão: não querem manchar seus currículos com uma política econômica absurdamente errada”, disse.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 22 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *